Quais são os tipos de coaching?

O coaching é um método que tem se tornado muito popular entre empresas de diversas áreas do mercado de trabalho. Esse conceito é aplicado para preparação de profissionais, auxiliando que os mesmos desenvolvam seu potencial e sua motivação.

O coaching apareceu da forma que é visto atualmente nas tutorias particulares de universidades. Esse método acabou se tornando conhecido pelo uso em empresas, onde instrutores ensinavam novas técnicas e medidas que auxiliassem no aprendizado do cliente.

Com o desenvolvimento deste conceito, foram desenvolvidos vários tipos de coaching, específicos para cada trabalho que pudessem adotar. Relacionados a formação pessoal, profissional ou à instrução em áreas específicas da vida do cliente, o coaching foi se ramificando em diversos estilos, e tem se popularizado no dia a dia das pessoas em busca de metas que parecem impossíveis.

Auxiliando no seu desenvolvimento, o coaching busca incentivar e ensinar, trabalhando as habilidades do cliente em diversos ramos.

Coach de carreira

O principal estilo de coaching é o coach de carreira, relacionado ao desenvolvimento profissional. Esse processo é guiado por um profissional qualificado, responsável pela utilização de metodologias adaptadas para beneficiar tanto a empresa do cliente quanto a ele mesmo, em áreas profissionais ou até mesmo pessoais. Esse método é pago, adaptado a partir de um contrato, e conta com sessões organizadas para guia dos clientes. Visando o treinamento especial e a capacitação profissional, ele é feito a partir de metas concretas e exercícios diários, auxiliando o cliente em seu desenvolvimento.

Coach executivo

Relacionado também ao ambiente profissional, o coaching executivo é voltado ao desenvolvimento de habilidades diferenciadas que podem formar um executivo de primeira.

Desenvolvendo o instinto de liderança, competências de gestão, técnicas para comunicação interpessoal, motivação, foco, desenvolvimento de equipes, aceleração de resultados e toda a estrutura e planejamento de um bom empreendedor. Esse tipo de coach desenvolve a ambição, trazendo ao mercado um profissional apto a administrar qualquer situação.

Life coach

Essa modalidade de coaching é direcionada para a vida pessoal. Orientando o indivíduo em aspectos relacionados ao planejamento, à motivação, comunicação familiar, autodesenvolvimento, diminuição do estresse, melhorias em relacionamentos, entre outros.

O processo consiste na reflexão individualizada, proporcionando ao cliente a chance de reavaliar e ampliar sua visão de vida e de suas competências pessoais, expandindo seus horizontes e dando novo rumo à sua vida.

Coach de liderança

Esse estilo se assemelha ao executivo, que busca o desenvolvimento de um profissional apto a admitir qualquer tipo de responsabilidade. Empresas em busca de profissionais de alto desempenho acabam aplicando este estilo de coach, garantindo que sua empresa esteja apta a trabalhar em qualquer tipo de situação e com um olhar diferenciado.

Coach de relacionamentos

Direcionado tanto aos relacionamentos familiares quanto amizades, amorosos e profissionais, o coach de relacionamentos planeja a expansão da comunicação, aprimorando a habilidade do profissional no seu campo pessoal e no seu instinto de interação.

Este estilo de coach é mais motivacional e interpretativo, levando também à reflexão sobre suas escolhas e sobre seu modo de conviver com outras pessoas.

Fontes de pesquisa:
http://cursodecoaching.net
www.administradores.com.br
www.exame.abril.com.br/revista-voce-sa

Etiqueta Virtual

Como você se expressa na internet? No mundo de hoje em que as pessoas se relacionam cada vez mais de maneira virtual, pela internet, essa é uma preocupação válida. Qual a imagem que você passa ao conversar com alguém por chat, ou até, ao enviar seu currículo para uma pessoa? Há cada vez mais pessoas realizando entrevistas de emprego através de vídeos e sistemas de pergunta e resposta via e-mail, muitos até através de chats, além das redes sociais profissionais como a Via6. Até mesmo foi desenvolvido um nome especial para a boa educação na internet, ou etiqueta da internet: Netiqueta, que veio do inglês net (rede), e a nossa etiqueta.

A finalidade da Netiqueta é trazer ao público usuário da internet algumas recomendações que podem  evitar mal-entendidos, melhorar ou fazer uma bela imagem virtual de um individuo e até evitar constragimentos pela falta de cuidado na comunicação, principalmente durante as conversas formais citadas acima. Gafes no mundo da internet são tão frequentes quanto no convívio do dia-a-dia.

Outro propósito que a Netiqueta tem é alertar sobre a ética da internet. Por exemplo: utilização de textos ou citações de terceiros sem que a origem ou autoria do conteúdo sejam mencionadas. Há histórias de pessoas que foram dispensadas de seus trabalhos e até mesmo perderem amizade por terem divulgado imagens ou comentários como forma de provocação, ridicularização e até chantagem. Aqui vão algumas dicas com o padrão Netiqueta de qualidade de regras básicas para o bom convívio no universo virtual, também permitindo à pessoa a ter uma boa imagem.

1) Mensagens em letras MAIÚSCULAS funcionam como se você estivesse ?gritando?. Evite escrever em outro idioma.

2) O interlocutor pode não ser versado em outras línguas.

3) Use com parcimônia abreviaturas, desenhos e emoticons. Palavrão nem pensar.

4) Nos textos longos, deixe espaço ou linha em branco para delimitar os parágrafos e organizar o texto.

5) Nas redes sociais, evite transmitir sua agenda pessoal a todos. Determinados compromissos só dizem respeito a você. Use o bom senso.

6) Escolha a saudação de acordo com o grau de intimidade e, sempre, assine a sua mensagem.

7) Ao envolver alguém no assunto ou copiar a mensagem para terceiros, cite o nome do autor original.

8) Use o recurso de cópia oculta quando mandar um e-mail para grupos de sua lista.

9) Evite enviar piadas, correntes e vídeos para pessoas com quem você não tenha intimidade.

10) Cuidado com as abreviações ininteligíveis. A outra pessoa pode acabar não entendendo a mensagem.

11) Atenção com o recurso ?responder a todos?, confira, antes, quem está na lista.Responda a mensagem em até 24 horas. Caso não possa, registre uma mensagem de ausência.

12) Retorne as confirmações de leitura.

13)   Utilize um mínimo de pontuação. Textos sem pontuação ocasionam erros de interpretação.

14)  Preserve a segurança de todos, não repasse listas de endereço nem abra anexos de desconhecidos.

15)  Quando estiver numa conversa em chats aguarde a outra pessoa finalizar sua mensagem. Trate o outro da mesma forma como gostaria de ser tratado e aja com o máximo de respeito.

Como tirar carteira de trabalho

A carteira de trabalho é um dos documentos mais importantes no Brasil, principalmente para aqueles que procuram um emprego formal, seja em empresas privadas ou públicas. Ao ser assinada, a carteira de trabalho oferece uma série de vantagens aos empregados como auxílio-desemprego, 13º salário, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, entre outras. O documento foi adotado no país em 1932, sendo que dois anos depois, durante o governo de Getúlio Vargas, ela passou a ser obrigatória tamanha era, e continua sendo, a importância desse documento. Na maioria das vezes, a carteira de trabalho é um dos primeiros documentos feitos pelos jovens brasileiros, algumas vezes até mesmo antes do título de eleitor. Confira algumas dicas para tirar a sua.

Para entrar com os procedimentos para tirar a carteira de trabalho, você vai precisar de:

  • CPF
  • Comprovante de Residência
  • Duas fotos 3×4
  • Identidade ou registro de nascimento
  • Carteira de reservista (homens)

Passo a Passo

  1. Vá até um dos postos de atendimento do Ministério do Trabalho, os endereços poderão ser consultados diretamente no site da instituição no endereço eletrônico http://portal.mte.gov.br/portal.html.
  2. Apresente todos os documentos solicitados, é importante não se esquecer de nenhum deles, pois caso isso ocorra não será possível tirar a carteira.
  3. Espere o atendente preencher todos os campos necessários.
  4. Apresente as duas fotos 3×4, é importante que ela seja atual e tenha fundo branco, algumas vezes pode acontecer da foto não servir por não fixar o carimbo do ministério. Nesses casos o recomendado é fazer a foto no próprio local onde a carteira será feita, nos postos do ministério é disponibilizado esse serviço, com o pagamento de uma taxa.
  5. Espere a sua carteira ficar pronta, o documento é feito na hora, sem a necessidade de aguardar muito tempo, vale lembrar que a emissão do documento é totalmente gratuita.
  6. Confira todos os seus dados antes de sair do posto de atendimento, é muito importante que todas as informações estejam totalmente corretas, caso seja constatado algum erro, peça para ser corrigido imediatamente.

DICAS PARA TIRAR SUA CARTEIRA

  1. A idade mínima para a retirada da carteira de trabalho é 14 anos, adolescentes que ainda não se enquadram nessa especificação não poderão solicitar o documento.
  2. Cuide muito bem da carteira de trabalho, guarde-a em um local seguro e apropriado, pois ela é o único registro oficial da vida do trabalhador, em caso de perda ou extravio será difícil consultar experiências de trabalho anteriores, isso poderá ser prejudicial na hora de conseguir uma nova colocação que exija experiência comprovada.
  3. Pessoas de outras nacionalidades precisarão consultar as condições de retirada da carteira de trabalho diretamente junto ao Ministério do Trabalho, pois nesses casos a documentação solicitada é diferente.
  4. Adquira uma capa para a sua carteira de trabalho, se necessário, para mantê-la ainda mais protegida.
  5. Ao começar em um novo emprego, verifique se o empregador preencheu corretamente todas as informações na sua carteira para evitar possíveis transtornos.
  6. Em caso de perda ou roubo faça o registro de ocorrência imediatamente e solicite uma segunda via.
 A carteira de trabalho é a garantia que todos os direitos dos trabalhadores serão respeitados. Então é muito importante que todos os empregados sejam registrados no banco de dados do governo. Solicite logo a sua e boa sorte.

COMO MONTAR UM PORTFÓLIO

Com o mercado de trabalho cada vez mais competitivo, os profissionais estão tendo que buscar algumas inovações para conseguir uma boa vaga de emprego. E neste caso, uma boa apresentação é a peça chave para adquirir um bom emprego.

A maioria das empresas procura por um profissional que tenha experiência em determinada área e que também conte com um bom conhecimento técnico. Mas, mesmo que esse profissional tenha essas qualidades, sem uma boa apresentação não será tão fácil de conseguir uma vaga de emprego. Esse também é um dos principais motivos de ter vários profissionais capacitados que não conseguem adquirir uma vaga de emprego.

ICAS PARA MONTAR UM BOM PORTFÓLIO

O portfólio é a lista de trabalhos de um profissional ou também de uma empresa que esteja se candidatando a uma licitação ou qualquer outra forma de aquisição de serviço. Ele é peça fundamental para conquistar um bom emprego e consequentemente uma grande carreira.

  • Mantenha a criatividade na construção de todo o portfólio, comece falando um pouco de você, se apresente como se estivesse falando pessoalmente com o analista, coloque algumas descrições do que você faz, sua forma de trabalho e também algumas experiências.
  • Escolha seus melhores trabalhos para colocar em seu portfólio, quantidade não quer dizer que você é um bom profissional, porém a qualidade pode, sim, apontar suas capacidades e conhecimentos. Sendo assim, exclua os trabalhos que estão com problemas ou que você acredite que não tenha ficado tão bom.
  • Para a criação de um portfólio, você precisa de um pequeno site na internet para a apresentação de seus trabalhos. Este site deixará sua apresentação mais profissional, por isso procure caprichar no design e também nas suas amostras de trabalho.
  • Erros de português é algo comum de acontecer, porém é raro ser tolerado por uma boa empresa. Cuidado com sua escrita.

PORTFÓLIO IMPRESSO E DICAS

Caso você esteja de olho em uma boa vaga de emprego, uma dica interessante é fazer um portfólio impresso. Neste portfólio é possível montar um esquema, assim como dito acima, porém em um papel como um currículo. Seu portfólio impresso poderá contar com algumas imagens de seus trabalhos.

  • Crie uma apresentação pessoal falando um pouco de você e de suas qualidades profissionais, assim como experiências. Porém seja breve, a maioria dos analistas não gostam de ler “enrolações”.
  • Coloque suas capacitações profissionais e cite todos os locais no qual já trabalhou e também outras experiências dentro de sua área profissional. Cite participações em alguns projetos.
  • Selecione imagens de alta qualidade e as imprima em alta qualidade. Uma impressora simples e papel simples não é uma boa saída.

No email também é possível montar um bom portfólio, uma dica interessante é seguir o padrão já informado, mantendo sempre uma boa organização na separação das informações do seu portfólio.

As formas de divulgações são várias, porém tenha sempre um portfólio online, mesmo que trabalhe apenas com o impresso. Em sua impressão você poderá colocar o link para seu portfólio online, onde suas informações estarão mais completas, assim como a quantidade de trabalhos realizados.

Como funciona o estágio

O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo. Reflexo disso é que muitas pessoas não têm uma chance de se inserir em um emprego, justamente por não contarem com alguma formação ou curso técnico. Para resolver esses problemas e também para capacitar novos profissionais para o mercado de trabalho, surgiu o estágio.

O estágio é uma forma de trabalho oferecida para profissionais que não têm experiência em determinado ramo e que busca se profissionalizar junto à empresa em questão, além disso, os estágios também procuram incluir jovens ao mercado de trabalho.

LEI DO ESTÁGIO – TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER

Quando falamos de estágio, logo vem na cabeça algumas leis referente a essa modalidade de serviço. Como todos sabem o estágio não é considerado um emprego, porém pode ser remunerado e, também segue um parâmetro referente às leis que tem por finalidade proteger tanto as empresas quanto os estagiários.

  •  Estágio é denominado um ato educativo supervisionado, pois mesmo a pessoa participando da produção dentro da empresa, sua principal finalidade de estar ali é para estudo e consequentemente para aumentar seu conhecimento. Os estágios podem ser feitos por alunos devidamente matriculados em curso superior, curso técnico ou nível médio. Segundo a nova lei também será possível incluir pessoas que estejam cursando o ensino especial do EJA de ensino fundamental II.
  •  Lembre-se de que na prática o estágio é um “curso”, por isso no contrato de estágio deverá conter o nome de sua instituição de ensino. Somente com o nome da instituição se caracterizará realmente um estágio. Algumas pessoas que já concluíram o concurso também se candidatam a vaga de estágio e isso por lei vale desde que o aluno não tenha cumprido com toda a carga horária referente ao seu estágio.
  •  Leve em consideração que alguns cursos não precisam de estágio para serem concluídos, porém a pessoa que está cursando o ensino médio também não está fazendo nenhum curso técnico ou superior não é mesmo? Nesses casos as próprias empresas oferecem um curso preparatório durante o estágio, diferente do estágio através do curso, onde o aluno aprende na teoria dentro da sala de aula e vai até a empresa para aprender na prática.
  •  Duração de um estágio não pode passar de dois anos, a não ser que envolva estagiário com alguma deficiência. Em relação a valores não existe um salário x no qual ele deve receber, tanto o valor mensal quanto os benefícios são conversados assim que é firmado o contrato.

Assim como um empregado comum, o estagiário também tem direito às férias (recesso de 30 dias), esse recesso deve ser oferecido pela empresa depois de passado um ano de atuação desse estagiário. Esse tempo de recesso será remunerado, por isso o estagiário não irá perder seu “salário”.

Como qualquer trabalhador, o estagiário também irá passar por um exame de admissão, onde será avaliado por médicos e durante o estágio esse aluno também passará por avaliações médicas assim como os outros profissionais que estão atuando ao seu lado. Boa sorte!

Dicas de como tirar férias no trabalho

A maioria dos trabalhadores sonha com o mês de férias, período dedicado ao descanso, viagens, atenção aos familiares e entes queridos… Mas ao mesmo tempo, grande parte sofre do mesmo mal: a dificuldade de regresso ao emprego. O longo período de descanso e “despreocupações” acaba gerando dificuldade de entrar no ritmo de trabalho novamente.

Embora o período de férias dos brasileiros seja bem maior que a maioria dos trabalhadores de outros países, onde 75% afirmou ter mais de 20 dias de férias por ano em um estudo levantado pelo site Expedia, poucos conseguem manter a mentalidade afastada dos compromissos que o esperam na volta. Na verdade, a despreocupação não acontece totalmente, já que muitos trabalhadores, acabam com a mente presa nos afazeres do trabalho mesmo no período de férias.

Ou seja, o período não é aproveitado com intensidade pela maioria dos trabalhadores. Para ter noção, segundo o mesmo levantamento, 60% dos entrevistados checam seus emails profissionais regularmente durante as férias. Embora o período reservado ao descanso seja grande, o trabalhador não consegue usufruir dele totalmente.

Para alguns especialistas, o ideal é que as pessoas evitem tirar 30 dias corridos de descanso. Tirar as férias integralmente faz com que o trabalhador fique muito tempo fora da empresa, e pode deixar-lo preocupado com alguns afazeres que deixou por fazer, e pode até mesmo forçar algum envolvimento com os assuntos do trabalho.

Para que o empregado possa usufruir melhor do período de descanso, é bom dividir as férias em dois períodos de 15 dias, ou em 3 períodos de 10, ou ainda em intervalos de tempo menores. A sensação é de um descanso maior, pois você teve a oportunidade de se ausentar várias vezes. E além disso, quanto retorna a empresa, depois de menos tempo longe das operações, a angustia no regresso é atenuada.

O problema, é que tirar as férias de forma reduzida, não é permitida pela Consolidação das Leis Trabalhistas. A CLT é rígida, e não permite a partição das férias, a não ser em casos de força maior. E mesmo assim, nenhum período da divisão pode ser inferior a dez dias.

Mas, nada impede uma conversa com o chefe e uma negociação sobre o período. Dessa forma, o período de descanso traria mais benefícios para o trabalhador, que consegue descansar sem preocupações pelo longo período de ausência, e para a empresa, que tem o profissional renovado e disposto a trabalhar.

Guia da Profissão: Agropecuária

Agropecuária é o conjunto de conhecimentos usados para gerenciar e planejar atividades em uma propriedade
rural. O profissional formado em agropecuária deve possuir conhecimentos desde o cultivo e cuidados necessários para o ambiente rural até a administração de seus negócios. Também é sua responsabilidade definir as estratégias para a
produção das safras agrícolas. Planejar produção de serviços necessários para criação de rebanho ou plantação, estabelecer quantidade de funcionários,verificar custos da produção e definir valor de produto são outras atividades
que constam para quem faz agropecuária. É, por fim, ele quem cuida da logística e da negociação com o mercado.

O mercado de trabalho para quem trabalha no setor agroindustrial, em geral, tem aumentado muito. Para a agropecuária, porém, há perspectiva de um crescimento ainda maior nos próximos anos, principalmente se o déficit da infra estrutura rural for corrigido. Tanto o bacharel quanto o técnico em agropecuária podem trabalhar em todas as etapas da produção, porém o bacharel tem mais ênfase para gestão. Outro nome dado ao curso de Agropecuária é Agronegócio.

O salário médio inicial para seis horas diárias é
entre R$ 1.800 e R$ 2.500 reais.

Guia da Profissão: Relações Internacionais

O profissional formado em relações internacionais é o responsável pela condução
das relações entre os povos, nações e empresas em áreas como política,
economia, sociedade, militar, cultural, comercial e legislativa. Para tanto,
ele deve analisar o cenário mundial, investigando mercados e avaliando
possibilidades de negócios, além de aconselhamento em relação à política ou
investimento no exterior. Também é função do R.I promover atendimento entre
empresas e governos de diferentes países, abrindo caminho para exportações e
importações, juntamento com acordos bilaterais ou multinacionais.
A internacionalização da economia também tem ampliado o campo de atuação desse

profissional. Inclusive, muitas universidades já investem em cursos
especializados na área de economia internacional, como é o caso da Universidade
Federal de Minas Gerais, com o curso de Relações Econômicas Internacionais.

Muita gente confunde o profissional de R.I com o de Comércio Exterior, por conta dessa sua ligação com o mercado internacional. Porém, a diferença é clara:

enquanto o R.I conduz relações entre povos e empresas e facilita o entendimento
para acordos nas diversas áreas já especificadas, o profissional de Comércio
Exterior se ocupa do intercâmbio, tratando, principalmente, de relações entre
compra e venda entre empresas de outras nações. O comercio exterior, hoje em
dia, também é uma das vertentes em que o profissional de R.I pode se
especializar, mas não é sua única linha de formação.
O mercado de trabalho do R.I, no Brasil, tem aumentado graças à globalização e

ao crescimento da economia. Ele pode atuar desde em ministérios, embaixadas e
multinacionais quanto em ONGs, podendo atuar no meio corporativo dessas
instituições, com elaboração e implantação de projetos, captação de investimos
e muitas outras atividades.

O salário médio inicial para o R.I é de R$ 1.500 à R$ 1800, valor equivalente
para 30 horas semanais.

Manter um hobby pode ajudar o desempenho profissional?

Com a correria do emprego, e grandes exigências do mercado de trabalho, a maioria dos profissionais acaba sendo sugada por questões e preocupações da área. Depois de um dia inteiro no serviço, alguns ainda fazem algum curso de especialização, uma pós-graduação, cumprem hora-extra ou até mesmo levam o trabalho para casa. É claro que se dedicar ao trabalho é muito importante, e é fundamental estar sempre aprendendo e aprimorando seus conhecimentos. A questão é: sobra tempo para o lazer?

Você sabia que manter um hobby ou um atividade que goste de fazer pode ajudar muito o desempenho do profissional? Isso porque nesse período, qualquer indivíduo tem momentos de prazer a acaba canalizando um pouco do seu estresse, dando uma aliviada na pressão sofrida diariamente no trabalho. Minimizando o impacto da rotina, o trabalhador acaba se sentido revigorado e rende mais no trabalho. Isso além de evitar brigas e desentendimentos por questões insignificantes entre os funcionários.

O tempo reservado ao lazer é uma forma de socialização, período em que o ser humano pode dialogar, conhecer novas pessoas e ter momentos de prazer e descanso. Isso porque no momento que se executa uma atividade no período reservado ao lazer, o indivíduo acaba espairecendo, tirando seus pensamentos dos problemas e preocupações. Além de ajudar no rendimento profissional, os momentos de lazer acabam até preservando a saúde mental e física.

É importante ter uma vida fora do trabalho. Sair com os amigos, praticar algum esporte e ir ao cinema são alguns exemplos de atividades que podem ajudar a dar uma aliviada no stress. Isso, sem contar que sair só com o pessoal do trabalho, acaba gerando assuntos relacionados a empresa, e você pode acabar se irritando ao invés de se distrair. É claro que é importante ter amigos no trabalho, mas uma vida social sem vínculo com o trabalho é fundamental também.

Conseguir equilibrar o tempo de lazer com o trabalho é um caminho que deve ser considerado. Administrando bem o tempo, é possível dedicar um período do dia para se dedicar a alguma atividade que você goste de desempenhar. Dessa forma, você recebe mais satisfação e motivação para as demais tarefas.

Você sabe como negociar seu salário?

Muitas pessoas tem em mente o emprego dos sonhos: boa remuneração, bom ambiente de trabalho, colegas sem grandes complicações… É claro que alguns aspectos fogem do controle do contratado, como a forma de agir do chefe e quando será promovido. Mas, outros pré-requisitos podem ser atingidos através do empenho, como a negociação do seu salário.

O ideal é que a conversa sobre a negociação do salário aconteça antes da contratação ser efetivada. Por exemplo, se a remuneração oferecida é inferior às suas pretensões, nada impede que você sente para conversar e explicar seu ponto de vista. O cuidado deve acontecer para que a atitude não demonstre muita segurança e passe um ar de presunção, pois nesse caso, pode acabar diminuindo suas chances. Mas uma conversa com humildade e sinceridade pode render bons frutos.

É importante ter em mente que não há nada de vergonhoso ou humilhante em buscar um salário que se adeque melhor as suas necessidades, já que ninguém trabalha unicamente por vocação, mas também para pagar as contas. Se você não negociar, ninguém fará isso por você.

Antes de entrar em uma empresa, vários aspectos devem ser pesados, como o projeto em que você irá trabalhar, o aprendizado oferecido, as expectativas e possibilidades de crescimento, os benefícios e claro, o salário em si. Se o salário não é o valor esperado, é importante pensar em como expor a sua reivindicação por um maior. Isso porque, o pedido pode soar meio vago e sem muito embasamento; mas se você reunir informações que demonstrem porque você pede um salário maior, as chances da negociação se tornar favorável a você crescem consideravelmente.

Tomar como base quanto um profissional da sua área costuma ganhar pode ser um ponto a favor. Assim, você não receberia um valor muito discrepante. É importante mostrar para o contratante também o que você, com suas características e qualificações, pode somar à empresa. Quanto mais ele perceber que a sua atuação será favorável, melhores são as chances de concordar em negociar o seu salário em um valor mais justo.

É importante também tomar cuidado para não chegar abordando o chefe logo de cara com uma nova pretensão salarial, pois essa atitude pode gerar assustar. Nem mesmo deixar o assunto como último da conversa.

Agora, se você já está há algum tempo na empresa,a negociação do salário precisa ser conversada com o seu chefe. Na verdade, existem mais prós que contras, pois negociar uma nova remuneração em uma empresa na qual você já está ativo, pode ter a seu favor os benefícios que o seu trabalho tem trazido à empresa, além do seu compromisso diário. Poder mostrar, na prática, como as suas atividades beneficiam o crescimento do grupo torna o embasamento mais sólido. Para ter mais algumas dicas nesse caso, leia nossa postagem sobre “Dicas para pedir um aumento de salário”.

Mas, se você ainda está negociando um contrato com uma nova empresa, é bom deixar claro, desde o começo, seus ideias e pretensões. Quando conseguir expor sua opinião, resta apenas ouvir o ponto de vista da empresa. Boa sorte!!